OpiniãoPC GamerSuper DestaqueTodos

PC Gamer paga o Preço da Liberdade e Perde a Identidade

Desde a década de 90 PC é referencia em performance para Games, eu ainda me lembro da minha Vodoo 2 fabricada pela Falecida 3DFX, unida com um Pentim II 450 (que parecia uma caixa de celular), ela era imbatível nada no mundo podia entregar gráficos 3D melhor em um Monitor 4:3, a Quantos Fps? Eu não tenha a menor ideia, isso não importava desde que fosse 3D, no entanto, não sejamos meros nostálgicos ou hipócritas, era uma época bem difícil, não só em relação a custo alto, que de la para cá este quesito nada mudou, mas principalmente na falta de informação e acesso a ela, não vá pensando que era só colocar um numero de modelo no Google (que na época nem existia e seus donos eram funcionários do Yahoo), ou que seu Reviewer preferido (o que gosto de chamar vendedor do Polyshop Especializado e barato) iria receber uma amostra gratuita em troca de lhe mostrar tudo (conhecido no sistema feudal do século V como Escambo), não meu caro leitor, comprávamos peças que muitas vezes não faziam sentido estarem conjuntas, de pessoas que muitas vezem nem sabiam o que estavam vendendo de verdade, perdíamos horas tentando decifrar o que os bips da placa mãe queria nos dizer (e sempre eram noticias ruins), fritávamos processadores com coolers que mais pareciam mini ventiladores de um conjunto Lego, Overclock seguro não existia a qualquer momento tudo podia ir para o Céu do silício, sistemas operacionais incompatíveis com tudo (sim estamos falando do windows 95-98), drivers conflitantes, tela azul, borracha na memória, uma bolinha de gude emborrachada dentro do mouse, redes de cabo coaxial ligadas a um protocolo IPX que fazia tudo menos se comunicar, integrados a sistemas que achavam que o mundo iria acabar no ano 2000, pois só tinham calendários até 1999, enfim, o estereotipo de que PC é Difícil nasceu nesta época e comparado com que temos hoje quem sente saudades de lidar com tudo aquilo pode ter alguma tendencia masoquista ou até mesmo ser favorável ao CAOS.

Subimos acima da Atmosfera Terrestre

Quase 30 anos passados, acredito que fora Gordon E. Moore , nem mesmo o mais entusiasta conseguiria prever com assertividade o que teríamos hoje em PC Gamer, Gigaflops, Teraflops, AI, múltiplos Cores, frequências e clocks nas alturas, Gigas e Gigas de armazenamento fora e dentro do seu PC, latências próximo de 0, memorias tão rápidas quanto um download de 1.44mb (sacou a referencia?) em uma internet de fibra ótica de 1GB, periféricos ultra ergonômicos e rápidos, milhões de pixels sendo movimentados na tela mais rápido que você possa enxergar em um Monitor/TV que tem 10x mais poder de processamento que um computador em 1990, onde você pode escolher dentro de casa o que comprar e pode ter toda informação que quiser, pode até mesmo se auto intitular um especialista (Conhecido como Engenheiro de pesquisas no Google) e instruir milhares de pessoas a montar seus equipamentos baseado nas experiencias teóricas dos artigos e videos de outras pessoas que copiaram de outras pessoas e que a cada copia perde 10% de sua veracidade, mas que você determinou como verdade absoluta e ponto final.

E isso não é brincadeira, para que relamente você possa entender o salto evolutivo que tivemos, imaginemos que se pudêssemos marcar uma viagem com o Dr. Emmett Brown em seu Delorean para 1994, carregando no porta malas uma PC Gamer Master Race, provavelmente você seria capaz de armazenar, processar, gerenciar e distribuir grande parte de toda informação digital do mundo naquela época e fazer isso jogando seu jogo preferido acima de 60fps no do Empire State Building a noite, mostrando todas as luzes do seu gabinete com tampo de vidro e gritando Chupa NASA! (na verdade você pode estar em qualquer lugar e falar qualquer coisa, mas se for para esbanjar poder faça isso com estilo e RGB) .

Acima da Atmosfera o Espaço é infinito

Toda esta evolução assustadora que PC Gamer sofreu foi sem duvida nenhuma reflexo de sua liberdade, uma plataforma descentralizada, onde um conglomerado de empresas atuam, concorrem entre si e se esforçam drasticamente para ter seu lugar ao sol, auxiliados por milhões de usuários apaixonados que contribuem diariamente nos mais diversos sentidos principalmente em software, apoiado também por organizações acadêmicas tecnológicas que em grande parte contribuíram e contribuem para as padronizações, impulsionando um ecossistema gigantesco e compatível , trazendo a liberdade ao Gamer, Usuário e Consumidor escolher o que quer, como quer, dentro do que ele precisa e pode pagar.

Navegando em um espaço infinito perdemos a orientação

Perfeito, Certo? Na verdade não, tudo isso dito acima é real, esse é o beneficio, mas o desdobramento disto esta se tornando tão caótico como era na década de 90, o modelo descentralizado de PC Gamer fez ele perder sua identidade como equipamento, as possibilidades são maiores que as necessidades, escolher um simples GPU virou um processo de horas de pesquisa, duvidas e medos.

De 2017 para cá só a Intel e AMD lançaram cerca de 40 modelos de Processadores cada (Somente Desktop incluindo todos os modelos e APUs) estamos falando de 80 possibilidades diferentes para processar dados e comandos, que no geral só apresentam uma real diferença pouco mais de 10 tipos distintos, no mesmo molde estão as GPUs que contando de 2017 para cá AMD e Nvidia possuem mais de 30 modelos no mercado, alguns curiosos com DDR4 (GT 1030), ou um modelo com GDDR5x (GTX 1060) cujo as unidades computacionais da placa são menos performáticas que a memoria (Para que entregar rápido se não consegue processar?), temos também modelos que não entendemos porque temos estes modelos, certo AMD? Ou realmente é necessário termos um RX 590? E nem vou comentar sobre placas mães, sockets e chipsets, sistemas de cooling e outros para não virar um livro.

Guarde as lembranças do espaço em sua memória

No caso das memórias RAM, não falta muito para você colocar no google “Memoria RAM de PC Gamer” e aparecer “Você quis dizer para o infinito e além?”, modelos e mais modelos, frequências e mais frequências, latência variada, com ou sem dissipador, enfim, cada uma ou um conjunto de especificações serve basicamente para determinado tipo de coisa, mas se juntou em um caldeirão de possibilidades infinitas e resultou que hoje não é difícil alguém comprar memorias de 3000hz para serem utilizadas junto com um Intel i3.

E claro, o que eu mas gosto, a prova real de demostração do sistema capitalista e do marketing sem escrúpulo das empresas sendo desmascarado por benchmarks que provam por A mais B que você não tem ganho no seu jogo com memorias de frequência maior. Por que eu gosto disto? Simples, adoro ver a criatividade deles provar o improvável realizando testes de frequência em softwares que não utilizam DMA (Direct Memory Access) , jogos são desenvolvidos no geral em C++ e outras linguagens de alto nível (quanto menos o programador se comunica com o hardware maior o nível da linguagem), com camadas infinitas dentro de uma Engine Gráfica, conectada a APIs de outras camadas de programação que são ligadas a um Sistema Operacional, sendo assim quem controla o gerenciamento de memoria não é o jogo e sim o S.O e camadas ligadas a ele, já faz um bom tempo, uns 20 anos que programadores não criam mais ponteiros de memória (Por isso você não recebe mais tela azul de estouro de pilha), a industria percebeu que eles não eram bom nisso (alocar espaços de memória manualmente sempre dava mer#$ pelo menos comigo), então o S.O assumiu a bronca, sendo assim a grande maioria jogos nunca irão palpitar sobre a frequência de transmissão de dados, sim, existem exceções como mundos abertos e algumas engines que trabalham nisto, mas no geral isso é a cargo do S.O e APIs, que pode melhorar ou piorar dependendo de como o jogo se comunica com ele, qual engine esta sendo utilizada, qual é o processador, qual é placa mãe, enfim, o que temos de real sobre isso para games (repetindo para games) é Inconclusivo, ficamos tão abertos que nos especializamos em não ter respostas.

O espaço é Inconclusivo e possui mundos que não vemos

O exemplo inconclusivo acima, foi apenas para enfatizar o nível de dispersão e contraste que temos hoje em PC Gamer, estamos em uma era de Ray Trancing das RTX ou somos capazes de desfrutar de 1TB de largura de banda da novíssima Radeon VII, unidos a um Threadripper de 32 núcleos para alimentar uma população Gamer faminta por tecnologia de ponta que é apresentada na Steam como cerca de 2% de todo o mundo PC Gamer, isso mesmo cerca de 80% da steam utiliza maquinas de entrada, em resolução full HD, neste ponto eu me pergunto, os mineradores foram os culpados pela falta de placas em 2017-2018? Ou simplesmente não tem demanda de alta escala para os modelos maiores e quando teve as empresas não souberam o que fazer? Será que realmente os produtos criados estão sendo baseados na comunidade que não comprar eles?

O fato é os Fabricantes estão criando possibilidade de tecnologia para os jogos, mas os jogos que utilizarem a tecnologia não serão consumidos, pois não tem gente suficiente com a tecnologia para rodar estes grande jogos que nunca virão.

Evolução é importante, pesquisa e novas tecnologias também, mas não podemos deixar de ouvir as necessidade e anseios de quem consome, ou todo mundo precisa de 32 cores? A sim, para quem não precisa, tem 80 modelos disponíveis para que você passe 3 semanas pesquisando sobre eles e mesmo assim vai sentir um frio na barriga sobre sua escolha porque definitivamente o “Melhor” em PC Gamer perdeu sua real definição.

Te mandamos para o Espaço mas não estaremos nele

Todo equipamento gamer que se preze tem um nome fo%$, Hyperx, ROG, Extreme, Titan, Strix, Terminator e por ai vai, até onde a imaginação agressiva, competitiva, poderosa e impetuosa do carinha do marketing chegar, junto a este nome vem um conjunto RGB incrível, dentro de uma caixa feita para um colar de diamantes em uma joalheria de Dubai que revendeu para o fabricante dos dispositivos e isso meu amigo, é Gamer!

Mas dentro dos jogos, onde estão estas empresas? Temos logos da Nvidia e AMD em alguns jogos simplesmente porque tem alguma tecnologia específica da placa no jogo, mas porque esta empresas Gamers, não apoiam Games?

Já se perguntou porque os jogos não são otimizados para PC como deveriam? Culpa dos Consoles? Culpa dos Desenvolvedores? ou será que porque é humanamente impossível fazer um jogo rodar bem em mais de 80 processadores diferentes acoplados a mais de 30 GPUs diferentes conectados de maneira completamente aleatória, cada um dando um resultado diferente? Talvez seja por isto que o estúdio Santa Mônica consiga fazer jogos graficamente incríveis como God of War para um equipamento que tem um processador mobile jaguar de 8 núcleos e uma Radeon Fraquinha como o PS4, ou seja, foco em um dispositivo especifico, não em milhares.

Neste ponto, vemos as empresas não apoiarem a seus próprios hardwares, porque não um exclusivo Triple A de PC? Otimizado para as principais placas do mercado, por que não apoio na otimização das versões de PC dos multiplataformas, uma responsabilidade dada a quem basicamente gerou o problema, no entanto nossa realidade é isolada, compramos e esperamos pelo melhor e pela boa vontade de quem desenvolve, uma especie de toma ai e #fui.

Após cruzar o Espaço o que vem!

Devemos ter mais caos se instalando, não só por parte de Hardware mas também em lojas de jogos, temos perda de identidade até nos games a Steam fala que jogamos CS Go e PUBG, a Epic Games fala que jogamos Fortinite, a UbiPlay diz que jogamos Rainbow Six Siege e segundo a Origin PC Gamer joga Battlefield I e V.

No fim idéias como steam machine que foi muito futurista para sua época devem começar em algum momento a se propagarem de maneira mais madura, seria uma resposta a descentralização, bem como uma solução que te guiaria no espaço, daria mais foco aos desenvolvedores e acabaria utilizando estrategias de console para crescimento, que é o incentivo ao desenvolvedor para gerar conteúdo melhor para sua base, alem disto escolhas menos abrangentes trariam maior publico a plataforma, claro liberdade sempre, mas que isso não nos torne reféns da liberdade!

Eu sou Gotikozzy e até a proxima!

Mostre Mais

gotikozzy

Gotikozzy é amante e entusiasta de tecnologia e Games desde criança, formado em Engenharia de Software trabalhou 20 anos na área de TI, cansou e virou Youtuber e agora também fica pagando de Editor, é conhecido por falar mais rápido do que você possa entender

10 Comentários

  1. Belo texto jovem.
    O avanço tecnológico, é realmente impressionante. O que podemos fazer hoje com um celular, é absurdo se compararmos a 10,12 anos atrás. Nos PCs, está evolução é de igual proporção.
    Em minha opinião, é certo que esta grande gama de modelos e especificações de hardwares só fará aumentar. Pensando no mundo gamer, logicamente é algo que confunde e de certa forma atrapalha a decisão do consumidor, quanto ao conjunto a ser escolhido; uma vez que sempre o alvo será o ” mais por menos”
    Mas temos de pensar que nem tudo é feito pensando em games. As empresas por sua vez, criam hardwares pensando na diversidade de aplicações, públicos a atingir com o uso da mesma e logicamente no lucro. Acontece que o usuário, sempre irá tentar gastar o mínimo para ter o máximo, e nessas, surgem as adaptações de modelos não especificamente criados pensando em games, mas que alguém já testou e disse “aaa, dá pra rodar”
    As empresas querem isso. A confissão, disfarçada de diversidade e poder de escolha.
    Sabem também que o desejo do consumidor por mais, nunca acaba e nunca acabará.
    Seria sim, tudo mais fácil se tivéssemos linhas seguimentadas que não nos desse opções de convergência.
    Mas seria benéfico para quem? Uma vez que o próprio consumidor quer adaptar, quer testar, quer variar constantemente.
    O mundo corporativo existe pelo e para consumo. E tudo gira em torno dele.
    Quem dita a evolução no fim das contas é a sede de evolução do consumidor, e o quanto ele está disposto a sacrificar para saná-la.

    1. Correto seu ponto de vista, no entando como exemplo temoas as placas linha Radeon e GTX são associadas a Games, o uso em aplicativos seria mais adequado uma Vega Pro uma Quadro, neste quesito mesmo separando o que é definido como “Gamer” ainda sim tempos um discrepância enorme pelo uso que é empregado, por exemplo quem comprou uma GTX 980ti na época dela passou por toda geração 10 series sem a necessidade de upgrade a não ser por vontade própria ou aumento de resolução, pois efetivamente todos os jogos de hoje sem exceção rodam nesta placa muito bem, o ponto geral que vejo é que temos muito mais soluções do que necessidades destas soluções, falta foco para trabalhar o que foi lançado e não espere que a industria de desenvolvimento vá abraçar esta causa, e sim esta correto a própria comunidade contribui com a bolha infinita de possibilidades agregando soluções que não são recomendadas, se de um lado é bom do outro é muito ruim, continuamos a viver em um nicho de entusiastas ou pesquisadores de problemas e isso não é popular, pouca gente significa preço mais alto.

  2. É engraçado pensar como esse futuro que está se desenhando, a possibilidade de jogar tudo de forma ”stremada”, pode equalizar essas infinitas combinações de hardware com um desempenho mais singular em toda essa gama de máquinas, talvez deixando os master race de fora pra serem os únicos com vantagem de rodar localmente, excelente texto!
    Aproveitando, considerem implementar o sistema Disqus de comentários, obrigado.

  3. Quem diria que uma simples pergunta de uma senhora sobre um APARELHO DE SOM traria tantas coisas boas.
    Parabéns gotikozzy pelo excelente trabalho que vc e a satie vem fazendo ao longo dos anos.
    Parabéns pela matéria, parabéns pelo canal e que esse sucesso atinja patamares além do espaço kkkkk.
    Abraços.

  4. Quem diria que uma simples pergunta de uma senhora sobre um aparelho de som traria tantas coisas boas hein.
    Parabéns Gotikozzy e Satie pelo excelente trabalho que vcs vem fazendo para a comunidade gamer.
    Abraços, e que vocês alcancem patamares espaciais kkkkk.

  5. Mano, q matéria top! Única!
    Quem tem preguiça de ler perde e muito em não saber o rico conhecimento que se obtém em ler um artigo tão bem produzido como este.
    Parabéns!

  6. Sensacional. Agregador. Realmente a gente muito tempo pesquisando um upgrade pro PC pra acabar fazendo a escolha “errada”. É muito dinheiro envolvido. Vou dar uma comparação esdrúxula: futebol depois que começou a movimentar muito dinheiro, perdeu a graça, é puro interesse. Sou um amante do PC Gamer, mas confesso que já pensei em desistir várias vezes e ir pra um console e ficar apenas com um notebook para tarefas (apesar de o celular está fazendo um bom papel).
    Parabéns mais um vez pelo trabalho. Continue. Abraço.

  7. trata-se de um fenômeno consumista que tem assolado o homem em quase odos os tipo de mercado… um padrão de consumo fora da realidade da vasta maioria… experiencia de jogar games msm fica em segundo plano… ja exibicionismo fica em primeiro…. pessoas vivem em uma fantasia na qual nem mesmo nunca pisaram…
    eu gosto de brincar falando, “#PCMASTERRACE4K60… disse o garoto em sua maquina i3 de seg geração e uma gtx 750ti”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Close
Close